sábado, 18 de julho de 2015

Aqui morava um rei

"Aqui morava um rei quando eu menino
Vestia ouro e castanho no gibão, 
Pedra da Sorte sobre meu Destino, 
Pulsava junto ao meu, seu coração.

Para mim, o seu cantar era Divino, 
Quando ao som da viola e do bordão, 
Cantava com voz rouca, o Desatino, 
O Sangue, o riso e as mortes do Sertão.

Mas mataram meu pai. Desde esse dia
Eu me vi, como cego sem meu guia
Que se foi para o Sol, transfigurado.

Sua efígie me queima. Eu sou a presa.
Ele, a brasa que impele ao Fogo acesa
Espada de Ouro em pasto ensanguentado."



Ariano Suassuna: Fazenda Acahuan (lembranças de meu pai)