terça-feira, 7 de julho de 2015

A MANCHA DE MUNCH[1]

Pincela no céu (da boca) e nos lábios da vida o eco da dor;
deforma (e queima e mancha) até a boca do estômago.
Põe a boca no mundo, mas...
nem sempre o mundo... é todo ouvidos.
E lá vai o grito (sozinho) assustando o infinito.