terça-feira, 11 de agosto de 2015

SERENATA

REPARA na canção tardia
que tìmidamente se eleva,
num arrulho de fonte fria.

O orvalho treme sôbre a treva
e o sonho da noite procura
a voz que o vento abraça e leva.

Repara na canção tardia
que oferece a um mundo desfeito
sua flor de melancolia.

É tão triste, mas tão perfeito,
o movimento em que murmura,
como o do coração no peito.

Repara na canção tardia
que por sôbre o teu nome, apenas,
desenha a sua melodia.

E nessas letras tão pequenas
o universo inteiro perdura.
E o tempo suspira na altura

por eternidades serenas.


Cecília Meireles, in 'Viagem' (1937)