quinta-feira, 13 de agosto de 2015

MEU DESTINO

Nas palmas de tuas mãos
leio as linhas da minha vida.
linhas cruzadas, sinuosas,
interferindo no teu destino.

Não te procurei, não me procurastes —
íamos sozinhos por estradas diferentes.
Indiferentes, cruzamos.

Passavas com fardo da vida...
Corri ao teu encontro.
Sorri. Falamos.
Esse dia foi marcado
com a pedra branca
da cabeça de um peixe.

E, desde então, caminhamos
juntos pela vida...



CORA CORALINA
In Meu livro de cordel, 1976


Fonte: http://www.avozdapoesia.com.br/